Verdant Green / Verde Verdejante

English below!

Quando eu era pequeno, gostava de me olhar no espelho quando sentia fome pra ver se meu rosto estava mudando de cor. Isso porque enquanto algumas pessoas ficam vermelhas de vergonha, roxas de curiosidade ou brancas de medo, em casa nós costumávamos ficar verdes de fome. Também me lembro de uma cena da atriz Eva Wilma contando que seu marido bon vivant (na novela, né…) gostave de dizer-lhe “verde que te quiero verde” ao que ela completava: “e me deixava verde mesmo… verde de raiva!”

Logo, logo eu percebi que meu rosto não veio com aquela configuração para mudar de cor nem meus olhos para percebê-la no rosto dos outros, fora alguns que eu via saberem ficar vermelhos ou brancos (mas sempre nas horas mais impróprias). Nem mesmo meu pai eu consegui ver ficar amarelo quando teve hepatite!

gamanacasa green wall madrid espanha
Mur végétal in Madrid

 

Assim como o verde do mofo cria uma associação entre a cor e tudo o que perde a vida ou que faz sentir esvair as forças vitais (como a fome), o verde fresco das folhas na primavera inspira esperança, o nascer, o brotar e até mesmo o aflorar. Imagens emocionalmente impactantes – do nascer e do morrer – mas tão absolutamente naturais, por que não dizer corriqueiras, quanto a própria cor. Talvez por isso, psicologicamente, nossa impressão do verde não seja ligada ao bom ou ao mau… algo que fica ali no meio, entre a frieza distante do feminino azul e a proximidade calorosa do vermelho masculino . Por mais que a teoria das cores nos ensine que a cor contrária ao verde seja o vermelho, a maioria das pessoas enxerga o azul como oposto ao verde. Assim, a cor verde sempre se posiciona diplomaticamente entre os extremos emocionais, na neutralidade harmoniosa do centro.

 

Tanta tranquilidade e tanta segurança como nenhuma outra cor é capaz de inspirar ao ser humano o fazem sentir-se em casa em meio ao verde que é a cor da natureza, a cor da saúde, a cor do planeta em paz (se a humanidade permitisse) assim como das entidades e partidos políticos que mais se esforçam para nos lembrar que a responsabilidade em manter nossa casa terrena saudável é só nossa.

gamanacasa painting green vienna brazilian artist
Artwork by Ricardo Cosendey

As I was a child, I used to look in the mirror when I was hungry to see my face changing colours. That is because while some people turn red when feeling ashamed, purple by curiosity or white in fear, hunger made people in my family turn green. I even remember brazilian actress Eva Wilma telling how much her bon vivant husband (in a telenovela of course) enjoyed declamating “green as I want you green” to her… which he often acchieved but only… “green in anger”.

I realized quite soon my face was not installed with the setting to change colours, not even my eyes could perceive that configuration in other faces, apart from some faces I noticed knowing the tricks to turn red or white (though always in the most improper moments). Not even when my father had hepatitis I managed to see him getting yellow!

gamanacasa green wall vienna austria
Mur végétal in Vienna

Just like the green colour of mildew creates an association between the colour and everything that is about to loose its life or is able to cause the sensation of vital strentghs disappearing (like hunger), the fresh green of leaves in spring inspires hope, birth, sprouting and even flourishing. Images with such an emotional impact like birth and death but simply absolutely natural – why not even say commonplace – like the colour green itself. Maybe that is why, psychologically, our impression of green ist not connected to good or evil… something around the middle, between the distant coldness of feminine blue and the hot proximity of masculine red. No matter how much the theory of colours preach us that the contrary colour to green is red, most people see blue as opposite to green. And so the colour green positions itself diplomatically between emotional extremes…in the harmonic neutrality of the center.

So much calmness and safety as any other colour is able to inspire the human being makes him feel at home surrounded by green which is the colour of nature, of health, of a planet in peace (if humankind would allow) and also the colour of those institutions and political parties that most bravely try to remind us that the responsability of keeping our earthly home healthy is only ours.

gamanacasa dress green spring vienna
Spring Hopes dress for Eastern

 

5 comentários sobre “Verdant Green / Verde Verdejante

    1. Sim, o verde foi escolhido por D. Pedro I para representar a Família Real de Braganca ao lado do amarelo da Família Real de Lorena (os Habsburgos daqui) formando um novo Império no Brasil. O Brasil nasceu filho de um portufues e de uma austríaca… nao é legal???

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s