Creation without Plan / Criação sem Plano

English below!

Pode até não parecer mas eu adoro planejamento…  é que, de uma certa forma, planejar e criar são atividades muito próximas e essa similaridade me atrai. O problema é que o planejamento exige um comportamento consequente, que fixa elementos enquanto persegue uma conclusão definida antecipadamente. Já a criação depende muito da flexibilidade para reagir com sensibilidade a elementos variáveis e que precisam manter-se em constante transformação para alcançar um resultado, digamos, indefinido (correndo muitas vezes o risco de simplesmente não alcançar resultado algum).

Gamanacasa Vienna Äusseres_Burgtor 1898
Porta dos Heróis, séc XIX

Segundo o meu planejamento, essa teria sido a primeira semana de dedicação intensiva e disciplinada às coisas que me interessam mais profundamente no momento, por exemplo, publicando mais cedo os post diários do blog no ritmo semanal que estabeleci pra mim mesmo. Mas quem falou que eu consegui? Por vários motivos, essa foi uma das semanas mais difíceis de me manter na linha e cá estou, mais tarde do que nunca, ainda no início da escrita, totalmente fora do tema dos sábados e pra dizer a verdade, fora até dos temas do blog. Acontece que às vezes a criação passa a perna no planejamento…

gamanacasa vienna hofburg fence gamanacasa vienna hofburg fence

O processo criativo começa no estudo e na pesquisa, algo que alguns chamam de “inspiração”. Tanto faz se são musas dançando nuas com uma guirlanda de flores na floresta ou um texto informativo na internet como o verbete da Wikipedia que conta a história do Portão dos Heróis, famoso ponto turístico vienense entre a Praça dos Heróis e os grandes Museus de História Natural e da Arte. Construído em 1660 para ser entrada oficial da cidade de Vienna que era cercada por muros, o portão fazia parte dessa fortificação que garantia a proteção da cidade contra quem quisesse invadí-la. Por exemplos, contra os turcos. Funcionou durante muito tempo… mas em 1809 Napoleão mandou soltar umas bombas e explodiu tudo. Segundo a Wikipedia, essa foi considerada uma prova de que, ao mandar tudo pelos ares, o que caiu por terra foi o significado militar do conceito de fortificação urbana.

gamanacasa vienna hofburg fence 7

A Áustria está hoje às vésperas do segundo turno de uma eleição presidencial do qual participa um candidato vergonhosamente medíocre de uma direita sofrivelmente apelativa. Isso num país onde o trauma da ditadura fascista se mistura com a vergonha histórica de uma sociedade que agitou bandeirinhas no ar para apoiar o ato chamado oficialmente primeiro de “anexação”, depois de “ocupação”. A percepção desse desastre histórico e social parecia garantir no mínimo uma reflexão maior do que a (falta de) conscientização geral no Brasil sobre sua própria  ditadura. Apesar de muito mais recente e longeva, a ditadura brasileira parece ter tido mais sucesso em diluir no tempo a lembrança da gravidade dos seus estragos: hoje em dia, é permitido, por exemplo, que um congressista use o microfone oficial da casa legislativa em que serve, para fazer apologia à tortura. Em público e em transmissão nacional. O mais estarrecedor disso é o silêncio que se seguiu. O povo brasileiro ouve com desleixo um dos maiores insultos contra a dignidade do ser humano e abaixa a cabeça silenciosamente. Abaixa e levanta… abaixa e levanta… sem perceber que esse movimento repetido é o gesto universal do consentimento. O mesmo consentimento que a população austríaca celebrou ao agitar suas bandeirinhas. Antes a desculpa parece ter sido “não saber”, agora parece ser “não se lembrar”.

gamanacasa vienna hofburg fence 8

Se o desenvolvimento da humanidade deve seguir algum “Plano Criador”, considero que o passo histórico desejável depois de perceber a perda do significado militar dos tais muros da cidade fosse observar a perda também do seu significado para a sociedade… mas ao atestar seu consentimento, seja ele através do voto, do silêncio ou das bandeirinhas, nossa (des-)humanidade dá o triste testemunho de que prefere viver uma Criação desordenada e sem Plano algum.

Gamamacasa vienna ring jeldenplatz

It possibly doesn’t look like this but I love planning… that is because, in a certain way, planning and creating are very close to each other and the similarity between these two activities attracts me. The problem is that planning requires a consequent behaviour, setting elements while chasing results that were defined in advance. At the other hand, creation depends a lot on flexibility to react with sensibility to variable elements that must be kept in constant transformation to achieve… let’s say… undefined results (not to speak about the risk of not achieving any results at all).

Gamanacasa Vienna Äußeres_Burgtor
Heroes’s Gate, nowadays 

According to my planning, this should have been the first week with an intensive and disciplined dedication to those things that interest me most deeply at the moment like, for example, publishing my daily blog postings earlier and in the weekly rhythm I stablished for myself. But who says I did it? For a number of reasons, this was one of the most dificult weeks to keep myself on track and here I am, later than ever, still at the beginning of writing, totally out of saturday’s subject and, to say the truth, even out of the blog’s subject itself. But it does happen sometimes that creation pulls a fast one on planning…

gamanacasa vienna hofburg fence 2

A creative process begins with studies and researches that some call “inspiration”. It doesn’t matter if that means muses dancing naked with a garland of flowers in the forest or an informative text in the internet just like the entry in Wikipedia that tells the history of the Heroes’ Gate, a famous viennese touristic site between the Heroe’s Square and the big Museums of Natural and Art History. Built in 1660 to be an official entrance to the city of Vienna (that was still surrounded by walls), the Gate was part of that fortification to garantee the protection of the city against those who wanted to invade it. For example, the Turkish. That worked well for a long time until 1809, when Napoleon exploded everything. According to Wikipedia, this was considered to be a proof that the military significance of city’s fortifications was no more relevant.

gamanacasa vienna hofburg fence 10

Today, Austria is a few days before the second round of its presidential election with the participation of a shamefully mediocre candidate of a sufferably appellative right. And that in a country where the trauma of fascist dictatorship still gets mixed with the historical shame of a society who shaked flags to support an act officially called “annexation” first and later, “occupation”. The perception of this historical and social disaster seemed to guarantee at least a bigger reflection than the general (lack of) awareness in Brazil about its own dictatorship. Althoug much more recent and longer, brazilian dictatorship seems to have achieved more success in diluting the remembrance of its damage’s severity along time: nowadays it is acceptable, for example, that a congressman uses official microphones of the legislative house where he serves to speak in praise of torture! In public and nationally broadcasted!! The most appalling of all this is the silence that followed. Brazilian people hear with untidiness one of the biggest insults against the dignity of human being and lower their heads to it silently. Lower and raise… lower and raise… without noticing that this repeated mouvement is the universal gesture of consent. The same consent austrian people celebrated shaking flags. Before, the excuse seems to bave been “not knowing”, now it seems to be “not remembering”.

gamanacasa vienna hofburg fence 9

If the development of humankind should follow any “Creation’s Plan”, I think that the desirable historical step after noticing the loss of military significance of city walls would be to observe the loss of its significance in society as well… but by attesting its consent, whether it is through the vote, the silence or shaking flags, our (in-)humanity sadly witnesses it prefers to live in a Creation with no Plan at all.

gamanacasa vienna hofburg fence 5

 

 

4 comentários sobre “Creation without Plan / Criação sem Plano

  1. Marcelo, seus textos só melhoram e você tem a sensibilidade de tocar o nervo da questão a partir de um lugar que, aparentemente, é outro. Parabéns, primo querido!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Marcelo,

    O homem é um animal que, embora tendo a faculdade de registrar o passado através da escrita, da palavra e da imagem, costuma ter memória curta. Trata-se de esquecimento seletivo.

    Por um lado, não se passa um dia sem que algum canal de televisão mostre um documentário sobre o negro período nazi-fascista ‒ repressão, perseguições, batalhas, atrocidades, mortandade aos milhões, fome, miséria, destruição.

    Por outro lado, dado que a geração que conheceu esses horrores ‘de visu’ já se está extinguindo, a tendência geral é para o esquecimento. Repetem-se os erros que conduziram a civilização ao desastre. Fecham-se fronteiras. Países, como o Reino Unido, se preparam para abandonar a união europeia sem se dar conta de que ela é a grande responsável pela paz e pelo progresso que reinam no continente há 70 anos.

    Aos jovens, que não conheceram períodos de desgraça, a paz e os avanços parecem naturais, automáticos. Não são. São fruto de esforço quotidiano. Não convém esmorecer.

    Como diz o outro, povo que esquece as desgraças do passado está condenado a revivê-las.

    Forte abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Obrigado pela força meu amigo. Ver o mundo é uma tarefa muito cansativa, chego a invejar as pessoas que conseguem esquecer. Eu nao consigo, entao pelo menos estou tentando aprender a nao me deixar entristecer demais por isso. Escrever às vezes dói mas muitas vezes cura também. Grande abraço!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s